Stock Car: os outros heróis de 2021

Sete façanhas que revelam a história de grandes personagens da mais recente temporada da categoria.

Gabriel Casagrande foi o grande nome de 2021 na Stock Car Pro Series. O jovem paranaense de 26 anos conquistou o título superando a elite do esporte a motor brasileiro, incluindo multicampeões (Cacá Bueno, Ricardo Maurício, Daniel Serra), ícones da Fórmula 1 e Indy (Rubens Barrichello, Felipe Massa, Tony Kanaan, Ricardo Zonta) e os melhores pilotos profissionais do país.
Mas essa é apenas parte de uma história marcada por centenas de momentos emocionantes e radicais que, além de valorizarem a conquista de Casagrande, revelam o esforço e a garra escondidos sob as estatísticas. Separamos a seguir sete índices que, mais do que novos números para integrar o currículo de pilotos já consagrados, são um retrato de algumas das façanhas que fizeram de 2021 uma temporada especial.
Thiago Camilo, por exemplo, foi o piloto que mais liderou corridas – com quase o triplo das voltas do campeão. O “rei das ultrapassagens” foi Denis Navarro. E Ricardo Maurício, que terminou o ano “apenas” na quinta colocação, liderou quatro dos sete quesitos que selecionamos. Há muito mais destaques. Confira alguns a seguir, com dados da Stock Car Racing Systems.

Quem mais liderou
Thiago Camilo liderou 95 voltas ao longo de 2021, o que corresponde a 271% do total comandado pelo campeão Gabriel Casagrande (35). Vencedor de incríveis 7 corridas no ano (29% do total), Ricardo Maurício ponteou 89 voltas, com Rubens Barrichello ficando na quarta posição, com 36. Totalizando 16 voltas na liderança, o vice-campeão Daniel Serra ficou no 11º lugar.
1) Thiago Camilo, 95 voltas
2) Ricardo Maurício, 89
3) Rubens Barrichello, 36
4) Gabriel Casagrande, 35
5) Rafael Suzuki e Felipe Lapenna, 28

Quem mais largou na frente
Foi cravando a pole na Superfinal BRB que Gabriel Casagrande deu o recado de que estava encaminhando o título. Momento premium da atuação de um piloto (quando ele e o carro estão preparados para o desempenho máximo), a conquista do lugar de honra do grid passou também a valer em 2021 o Troféu Pole Position Snapdragon, além de dois pontos extras na tabela.
1) Thiago Camilo, Rubens Barrichello, Ricardo Maurício e Gabriel Casagrande, 2 poles
2) Cacá Bueno, Ricardo Zonta, Rafael Suzuki e Guilherme Salas, 1

Quem mais ultrapassou
A temporada 2021 marcou a estreia do ranking de ultrapassagens da Stock Car e revelou o esforço de quem tem problemas, larga atrás e faz provas de recuperação sensacionais. O campeão da primeira edição foi Denis Navarro, com uma média de 15,16 manobras por corrida. Navarro derrotou Gaetano Di Mauro por apenas uma ultrapassagem na soma de toda a temporada: placar de 364 a 363 sobre o segundo colocado. Confira:
1) Denis Navarro, média de 15,16 manobras *
2) Gaetano Di Mauro, 15,12
3) Guilherme Salas, 13,87
4) Rafael Suzuki, 12,75
5) Pedro Cardoso, 12,58
* Manobras executadas por corrida. Computadas também ultrapassagens nos pit stops

Quem foi mais veloz
Daniel Serra e Ricardo Maurício dominaram o quesito volta mais rápida em corrida, mostrando que a equipe dos dois tricampeões prepara um carro extremamente veloz para as provas. Com quatro melhores voltas cada um, a dupla cravou 40% dos giros mais rápidos de 2021, sendo destaque entre os ganhadores do “Troféu Volta Mais Rápida Motorola”, concedido ao piloto que registra a volta mais perfeita nas etapas.
1) Ricardo Maurício e Daniel Serra, 4 melhores voltas
3) Gabriel Casagrande, 3
4) Thiago Camilo, Allam Khodair, Lucas Foresti e Marcos Gomes, 2

Quem mais venceu
Mesmo zerando em cinco das 24 corridas (duas devido à covid), Ricardo Maurício mostrou um desempenho exuberante em diversos momentos. Foi, por exemplo, o maior vencedor, com mais de três vezes o total do campeão. Thiago Camilo foi outro destaque, com cinco primeiros lugares.
1) Ricardo Maurício, 7
2) Thiago Camilo, 5
3) Gabriel Casagrande, Átila Abreu e Rubens Barrichello, 2
6) Daniel Serra, Lucas Foresti, Ricardo Zonta, Rafael Suzuki, Guilherme Salas e Félix da Costa, 1

Quem foi mais eficiente **
Se não foi campeão, Ricardo Maurício pelo menos assinalou um feito que dificilmente será igualado: conquistou 100% dos pontos colocados em jogo na 6ª etapa, Goiânia (2 pela pole, 30 pela vitória na Corrida 1 e 24 por vencer a Corrida 2). A façanha lhe concedeu o “Troféu Claro 5G Man of the Race”. Rubens Barrichello chegou perto no Velocitta, quando cravou 92%. E Rafael Suzuki brilhou em Curitiba, com 85%.
1) *Ricardo Maurício (Goiânia, etapa 6), 56 pontos (100%)*
2) Rubens Barrichello (Velocitta, etapa 4), 52 (92%)
3) Rafael Suzuki (Curitiba, etapa 7), 48 (85%)
4) Daniel Serra (Goiânia, etapa 1), Ricardo Zonta (Velocitta, etapa 3) e Guilherme Salas (Velocitta, etapa 10), 46 (82%)
** Soma dos pontos obtidos pelos pilotos nas duas provas de cada etapa

Quem foi o melhor ***
Poucas vezes um campeonato com tantas corridas (24) viu um duelo ininterrupto pelo título, da primeira à última prova. Muitos pilotos rondaram a liderança (Thiago Camilo, Ricardo Maurício, Rubens Barrichello, Ricardo Zonta, Bruno Baptista etc). Camilo, inclusive, chegou à final com chances matemáticas. Mas foram Gabriel Casagrande e Daniel Serra quem esteve com a mão na taça do início ao fim. Uma grande temporada, com um inédito grande campeão.
1) *Gabriel Casagrande, 378 pontos*
2) Daniel Serra, 354
3) Thiago Camilo, 310
4) Ricardo Zonta, 307
5) Ricardo Maurício, 304
*** Classificação final da temporada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s