Municípios paulistas poderão gerenciar suas áreas de preservação ambiental

Em São Paulo, a regularização ambiental das propriedades e posses urbanas, bem como a recomposição das Áreas de Preservação Permanente (APP) do Estado, obedecem a uma lei de 2012, na qual estão definidas as regras para moradias próximas a cursos de água. Apesar disso, neste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o Código Florestal deve ser usado para estabelecer esses limites – o que tira a autonomia dos gestores municipais. Por isso, o Congresso Nacional está analisando uma proposta que pretende favorecer a administração municipal quanto à delimitação dessas áreas de preservação. A ideia é que, com a aprovação do Projeto de Lei n° 2510, de 2019, os planos diretores e leis municipais de uso do solo, sejam os responsáveis por marcar essas áreas.

Janary Bastos Damacena BR.61

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s