Brasília em pé de guerra

Se nos últimos meses as ameaças do presidente Jair Bolsonaro ao Executivo e ao Judiciário ainda contavam com o benefício da dúvida de parcela do mercado, as manifestações do dia 7 de setembro servem como um divisor de águas — a guerra entre os Três Poderes está oficialmente declarada, e o Ibovespa deve ser um sangrento campo de batalha.

O discurso agressivo do presidente Jair Bolsonaro durante as manifestações não trouxe surpresas, mas serviu para ampliar a tensão na capital federal. Depois de novos ataques feitos principalmente aos ministros da Suprema Corte, hoje foi dia de tensão e réplica dos demais Poderes, após meses de banho-maria.

Em seu pronunciamento, o presidente da Câmara, Arthur Lira, pregou harmonia entre os Poderes, e disse que a Câmara dos Deputados deve atuar como um agente pacificador das tensões entre Executivo e Judiciário.

Lira também voltou a defender a Constituição e o modelo eletrônico de votação, reforçando que o voto impresso, pauta de reivindicação bolsonarista, já está superado. O presidente da Câmara reforçou compromisso com a agenda de reformas e afirmou que as redes sociais ‘superdimensionam’ a crise atual e que a solução virá em 2022, com novas eleições.

Já Luiz Fux, presidente do STF, adotou um tom mais duro. Fux sinalizou que os ataques feitos por Bolsonaro categorizam crimes de responsabilidade e cobrou medidas do Congresso. Além disso, foi categórico ao reafirmar o compromisso do Judiciário com a Constituição e ao afirmar que ninguém fechará o STF.

O clima de aprovação para as reformas já era quase inexistente, mas agora pautas como as reformas administrativa e tributária dificilmente sairão do lugar. A guerra entre os Poderes também torna a ameaça de rompimento do teto de gastos mais real.

A crise entre Executivo e Judiciário reflete diretamente na questão dos precatórios, já que a equipe econômica esperava contar com a “boa vontade” do STF para conseguir manobrar o pagamento dos R$ 89 bilhões previstos para o fim do ano.

Para os investidores, o que antes era um temor finalmente virou realidade. Com muitos meses de antecedência, Brasília entra de vez em clima de eleição, e os próximos movimentos de Bolsonaro para tentar reconquistar a população geram temor de mais gastos públicos.

Com o exterior também no negativo, o Ibovespa registrou o menor nível desde março, aos 113.412 pontos, após uma queda de 3,78%. Se nos últimos tempos a expectativa de alta da Selic conseguiu segurar o câmbio, hoje não deu. O dólar à vista subiu 2,89%, aos R$ 5,3291.

Jasmine Olga

Seu Dinheiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s