Cobrança de mensalidade em universidade pública sai de pauta na Câmara

Parlamentares da oposição e do governo chegaram a um acordo para adiar a discussão da PEC 206/19 até o próximo ano.

São Paulo – O presidente da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania da Câmara, deputado Arthur Oliveira Maia (União-BA), anunciou na tarde desta terça-feira (31) um acordo de líderes para retirar da pauta a Proposta de Emenda à Constituição 206/19, que autoriza a cobrança de mensalidade em universidades públicas. Os parlamentares da oposição e do governo chegaram a um acordo para adiar a discussão até o próximo ano.

Deputados de oposição comemoraram a decisão. “As universidades públicas são financiadas com impostos dos cidadãos brasileiros, não são meramente gratuitas. A instituição de mensalidades poderia excluir a participação de uma parcela importante de estudantes carentes”, disse Orlando Silva (PCdoB-SP), segundo a Agência Câmara.

Professor, Ivan Valente (Psol-SP) escreveu que “a pressão social funcionou”. Acrescentou que a PEC foi arquivada e mencionou o relator. “Para a tristeza de Kim Kataguiri e dos bolonaristas, vitória de quem luta pela Educação!”, escreveu, sobre o deputado de extrema direita que é relator da PEC..

Já Kataguiri (União-SP) continua defendendo a ideia, dizendo que a PEC não acaba com a gratuidade da universidade pública. “Está expresso na PEC que quem não pode pagar, não paga”, disse. O parlamentar afirmou ainda que o dinheiro da mensalidade seria utilizado para financiar o estudante pobre “que precisa do transporte gratuito para chegar à universidade, que precisa do subsídio do bandejão para conseguir comer, como eu precisei”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s