As religiões dos antigos primórdios: com qual você se adapta?

A realidade brasileira possui um sincretismo religioso de grande porte. O último censo demonstrou que a religião cristã mantém a hegemonia nesta nação, ainda que as demais religiões se façam presentes com a representatividade dentro das quatro matrizes religiosas que são: ocidental, oriental, africana e indígena.

É um fato comum ao estudante, o estudo das religiões na atualidade, sua evolução em número de fiéis, principais práticas, doutrinas a seguir, os líderes que exercem influência sobre todos. Porém, existem fatos que muitas vezes passam despercebidos por todos. Claro que é de conhecimento de todos, afinal, os livros contam a história da humanidade desde os tempos antigos. 

Mas afinal, como surge uma religião? Esta instituição remonta a nossa existência, teve sua utilização veiculada através de líderes governamentais, religiosos, ambos em muitas das vezes, agindo lado a lado e com viés de controle das pessoas ou não. O mundo antigo teve muitas religiões de elevado porte e que com o tempo, desapareceram da história, ficando apenas os relatos históricos que comprovam sua existência.

Muitas destas religiões não estudamos na escola e outras, conhecemos de muito tempo: suméria com destaque para o dilúvio conhecido como Épico de Gilgamesh, egípcia e suas incríveis pirâmides, cananeus conhecidos através da Bíblia Sagrada, olmeca na América Central, grega que inspira muitos filmes e outros fatos, asteca que remete a todos ao conhecido filme de catástrofe conhecido como 2012, nórdica que remete a Thor e Odin, muito lembrados em filmes.

No livro “As religiões que o mundo esqueceu”, capítulo dos Sumérios, elaborado pelo Prof. Luiz Alexandre Solano Rossi, observa-se o relato do dilúvio, o primeiro Noé relatado, deuses citados como patronos de cidades, práticas religiosas executadas por clero exclusivo, o homem criado do barro divino. História muito antiga e separada por séculos da atualidade. Localizados na antiga Mesopotâmia, possuíam riqueza literária, hierarquias de comando com organização de pessoas para a construção de obras públicas, entre outros fatos. Detalhe a parte para a cidade de Uruk de categoria mega com 1,6 milhões de metros quadrados. Nesta tradição, os humanos eram organizados de acordo com a vontade da divindade e supervisionada também pelos deuses. Um povo que acreditava na existência do mal, mas que acreditavam nos deuses alinhados a semelhança dos humanos.

Autor: José Carlos Moraes é mestre em Teologia, professor da área de Humanidades na Licenciatura em Ciências da Religião do Centro Universitário Internacional Uninter.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s